beneficios-fornecer-cesta-basica-para-funcionarios

Benefícios em fornecer cestas básicas para seus funcionários

Em um mercado cada vez mais competitivo, você já sabe quais são os benefícios de fornecer cestas básicas para seus funcionários? 

Fornecer Cestas Básicas Traz Diversos Benefícios

Podemos citar que há desde um incremento na saúde e bem-estar dos colaboradores, aumento da produtividade, redução do absenteísmo e um diferencial competitivo para atração de talentos.

Entre tantas dúvidas em relação a conceder ou não cestas básicas à seus funcionários, saiba quais são os grandes benefícios que elas podem proporcionar no dia-a-dia.

Alimentos nutritivos

Em primeiro lugar, as cestas básicas ajudam a garantir que os funcionários tenham acesso a alimentos nutritivos e de qualidade.

Principalmente diante de um cenário de inflação desafiador, muitos trabalhadores têm tido dificuldade de arcar com os custos de uma alimentação saudável, o que pode levar a problemas de saúde e até mesmo à redução da produtividade no trabalho.

Ao fornecer cestas básicas, as empresas ajudam a garantir que seus funcionários estejam bem alimentados e com a energia necessária para realizar suas atividades.

Ambiente de trabalho mais positivo

Outra questão é relacionada com a criação de um ambiente de trabalho mais positivo e saudável que as cestas básicas podem proporcionar.

Conceder um benefício, como cestas básicas, faz com que os funcionários se sintam mais valorizados e cuidados pela empresa. Ao se sentirem reconhecidos, aumenta-se sua motivação e satisfação no trabalho.

Além disso, a oferta de alimentos saudáveis pode incentivar hábitos alimentares mais sadios entre os colaboradores e sua família, reduzindo o risco de doenças relacionadas à má alimentação e melhorando, inclusive, a expectativa de vida da sociedade.

Redução do absenteísmo

Outro benefício das cestas básicas é a redução do absenteísmo no trabalho.

Isso acontece pois funcionários que não estão bem alimentados ou que sofrem de doenças relacionadas à má alimentação têm maior propensão a faltar ao trabalho.

Dessa forma, ao garantir uma boa alimentação, há uma maior disposição física e mental dos funcionários que repercute na redução do número de faltas e melhora da produtividade.

Atração de talentos

Outro benefício em fornecer cestas básicas é que ela cria uma imagem positiva e se mostra como uma forma de diferenciar a empresa no mercado.

Dessa maneira, empresas que se preocupam com o bem-estar dos seus funcionários são vistas com mais simpatia pelos consumidores e pela sociedade em geral, o que pode ser um fator importante na hora de atrair e reter talentos.

Em resumo, fornecer cestas básicas para os funcionários pode trazer diversos benefícios para as empresas, desde a melhoria da saúde e bem-estar dos colaboradores até o aumento da produtividade e redução do absenteísmo. Além de claro, ser vista com bons olhos por se preocupar e cuidar de suas pessoas.

Por esses motivos, essa é uma prática cada vez mais comum no mundo empresarial e que, de fato, é transformadora e essencial para um ambiente de trabalho mais cada vez mais positivo.

Quer aprender mais sobre como montar uma cesta básica? Confira nosso artigo sobre o tema!

Caso ainda tenha dúvidas sobre como começar a fornecer cestas básicas para seus funcionários, entre em contato com a Silvestre Alimentos e fale com uma de nossas consultoras. 

Se preferir, veja mais informações em nosso site, compre diretamente em nossa loja ou pelo whatsapp (19) 98183-2440.

 

 

inflação dos aplimentos causa impacto na cesta basica

O que influencia o preço de uma cesta básica?

Antes de mais nada, para sabermos o preço de uma cesta básica, é importante entender que ela é formada por, maioritariamente, alimentos commodities de baixa diferenciação e pouco processamento.  

Por ser uma mercadoria mais natural, o preço pode ser influenciado por questões climáticas, como falta de chuva ou incorrência de pragas até fatores como questões cambiais, alterações nos impostos, preço do combustível, entre outros.  

Para entender um pouco melhor sobre o que influencia o preço de uma cesta básica, veja esse artigo que preparamos para você. 

A Inflação

O primeiro fator que afeta no valor dos itens da cesta básica é a inflação, e é difícil escapar dela. Na prática, ela faz com que seu valor possua menor poder aquisitivo; o que geralmente vem acompanhado de uma alta nos preços de itens básicos.

De acordo com o IBGE, o Brasil fechou uma inflação de 5,77% entre janeiro de 2023 e 2022. Nesse mesmo período, o DIEESE calcula que a variação de preço dos alimentos da cesta básica, só no estado de São Paulo, foi de 10,75%. 

Portanto, para entendermos melhor o preço de uma cesta básica, é necessário compreender o que há por trás desse índice. 

Combustível, juros, insumos e câmbio

A Guerra na Ucrânia teve impactos catastróficos na nossa economia e no preço dos alimentos da cesta básica. Devido ao conflito, a troca comercial de petróleo e gás com a Russia, o maior fornecedor de da Europa, foi impedida, gerando escassez energética no mundo.

Adicionalmente, os governos já vinham se recuperando da crise ocasionada pela COVID19, então, buscando frear a inflação, as taxas de juro tiveram aumento, o que consequentemente, diminuem investimentos por parte das empresas e desaceleram a economia.

Além disso, a Ucrania sempre foi uma importante exportadora de insumos agrícolas, e devido à guerra, parou de exercer essa função. Com isso, houve falta de insumos e aumento de preço significativo no custo de produção do setor agrícola do Brasil, o que influencia significamente os preços dos alimentos de nossas cestas básicas.   

Outro ponto que não podemos deixar de citar é a questão cambial. Quando nossa moeda se desvaloriza, se torna mais vantajoso para os agricultores focarem na exportação, pois na conversão, seus lucros se tornam maiores. 

Isso acaba diminuindo a oferta desses produtos no mercado interno, o que novamente leva a uma alta nos preços bem acima da inflação do período.

Como determinar o preço da cesta básica

Visto todos os pontos anteriores, temos clareza que o preço da cesta básica vai muito além do nosso controle. 

Por isso, para empresários e funcionários que vivem da cesta básica, a única opção agora é procurar com mais atenção pelos melhores preços e negociar com fornecedores para obter preços mais acessíveis nos alimentos até que a economia volte aos trilhos.

Leia também: Como é calculado o valor da Cesta Básica.

Para consulta dos índices de inflação, acesse aqui!

Aprenda como montar uma cesta básica clicando aqui.

como abrir um negócio atacadista

O que é necessário para abrir um negócio atacadista?

Muitos brasileiros estão buscando alternativas para se tornarem seus próprios chefes. E para isso, um negócio no setor de alimentos costuma ser uma das opções mais procuradas por empreendedores de pequeno, médio porte ou de atacado.

Como diz o ditado, todo mundo precisa comer. Então, esse é um setor extremamente atrativo. Mas para não fracassar, é preciso ficar atento a algumas dicas importantes.

Para começar, você precisa conhecer bem a legislação. Além disso, você precisa verificar outros fatores para não acabar fracassando ao longo do processo.

Veja abaixo alguns pontos que você deve ter em mente antes de abrir um mercado atacadista e tudo que é preciso para começar com o pé direito.

A legislação

O primeiro passo para abertura de um mercado atacadista é escolher um bom local para o seu negócio. Então, verifique se ele possui bom acesso para receber e armazenar os produtos e com bom fluxo de clientes.

Então, verifique a legislação, já que por ser um local voltado ao comércio de alimentos, é preciso obter os alvarás necessários para funcionamento. Entre eles estão o Alvará de Funcionamento e outros documentos.

O segundo passo é enfrentar a burocracia necessária para a abertura da firma em si. Em São Paulo, por exemplo, é preciso obter um registro de comércio atacadista da Jucesp, além da Inscrição Estadual e Municipal e o CNPJ.

Toda essa parte burocrática tem um custo e pode levar meses para a liberação de todos os documentos necessários, então leve isso em consideração no planejamento de seu negócio.

Os impostos do seu negócio

Atualmente, existem três categorias de impostos voltados para os mercados atacadistas, e você terá que escolher qual aquele que se encaixa melhor no seu plano de negócios:

  • Lucro Real: Nesse caso, aplica-se o imposto sobre o valor real do lucro apurado. Ele tem taxas mais altas, mas por outro lado só é aplicado sobre os valores apurados.
  • Lucro Presumido: Essa modalidade engloba uma série de impostos em um só, com um percentual que varia entre 5,93% e 6,93% referentes a impostos federais e uma porcentagem de ICMS, que varia de um Estado para o outro. Também há um adicional de 0,80% de Imposto de Renda caso a renda trimestral seja superior a R$ 750.000,00.
  • Simples Nacional: Esse é uma modalidade mais simples. Aqui vários impostos são unificados. Negócios com faturamento de até R$ 3.600.000,00 no ano tem o direito de usar o Simples. A taxa varia de 4% a 12% sobre o faturamento bruto da empresa.

Abrindo seu mercado atacadista

Agora você já sabe qual a legislação e impostos com as quais terá que lidar, mas isso é apenas uma parte do processo, já que também é preciso considerar a logística, plano de negócios e fechar acordos com distribuidores, sempre procurando as melhores ofertas.

Para facilitar o processo, você pode contar com a ajuda de profissionais especializados, como um advogado para cuidar da parte burocrática e da documentação necessária e um contador, para guiá-lo através da burocracia dos impostos.

Outra opção também é investir no mercado varejista, e contar com um parceiro atacadista como a Silvestre Alimentos, que pode auxiliar você com o fornecimento e distribuição de alimentos.

Atacado ou varejo: O que é melhor para comprar?

Atacado ou varejo: O que é melhor para comprar?

Hoje em dia é cada vez mais fácil encontrar grandes redes de supermercados de atacado que buscam atender ao consumidor final.

Porém, o que é mais vantajoso: Comprar no atacado ou no varejo? A primeira coisa nesses casos é entender bem a diferença entre esses métodos de compra.

Afinal de contas, cada um deles possui suas próprias vantagens e desvantagens. Veja abaixo como eles funcionam e algumas dicas para encontrar qual a opção que cabe melhor no seu bolso.

Qual a diferença entre atacado e varejo?

Muita gente ainda se confunde quando estamos falando de atacado e varejo.

De forma simples, o atacado ocorre na venda em grande escala. O varejo, por sua vez, é a modalidade concentrada em pequenas unidades. Para simplificar ainda mais, o mercadinho do seu bairro, o açougue e até mesmo grandes redes de supermercado atuam no varejo.

E, as principais diferenças são essas, a quantidade de comida e quem é o consumidor. No caso dos mercados de varejo, o objetivo é o comprador final. Já nos mercados de atacado, a venda ocorre em grande escala para manter as prateleiras dos supermercados sempre abastecidas.

Quais as vantagens e desvantagens de comprar no varejo?

Os consumidores tradicionais estão mais acostumados com o modelo de varejo. Afinal, já faz parte de nossa rotina ir a um estabelecimento e comprar em pequenas quantidades, seja em compras semanais ou mensais.

A principal vantagem é essa, já que você compra apenas a quantidade necessária e tem mais liberdade para explorar diferentes marcas e produtos. Assim você também pode buscar as melhores promoções, que é um fator que oscila todos os dias.

Por outro lado, a principal desvantagem do varejo em relação ao atacado é o valor dos produtos. Afinal, nos supermercados e estabelecimentos do tipo, você acaba arcando com mais custos associados ao produto.

Quais as vantagens e desvantagens de comprar no atacado?

Não há como negar que a principal vantagem de comprar no atacado é que é possível conseguir preços muito mais atraentes. Afinal, você está comprando direto do distribuidor e em grande quantidade.

No entanto, a grande quantidade é que pode ser um problema. Primeiro porque é preciso pensar na logística de como armazenar grandes quantidades do mesmo alimento.

Em segundo lugar, é bom estar confiante de que você realmente gosta do produto, caso contrário acabará com uma grande quantidade encalhada.

Outro inconveniente é que, dependendo do volume da compra, as empresas exigem uma quantidade mínima de produtos (que não costuma ser baixa como no varejo) e até que você possua CNPJ, já que o valor e quantidade podem exigir emissão de nota fiscal.

Conclusão

Muitos dos atacadistas que miram o consumidor final possuem maior flexibilidade no volume de unidades e menos burocracia no momento da compra, o que torna todo o processo mais simples e acessível.

Para comprar com mais facilidade no atacado, você pode contar com a Silvestre Alimentos, que conta com uma enorme variedade de serviços, como cestas básicas personalizadas e os melhores preços do mercado!

Drop here!
Descubra tudo o que é preciso para abrir um mercadinho

Descubra tudo o que é preciso para abrir um mercadinho

O mercado de alimentos está em expansão, e costuma ser uma aposta certeira para quem busca uma alternativa de renda. E uma alternativa além da venda de alimentos prontos para consumo é a criação de um mercadinho.

Isso porque a venda de alimentos prontos pode gerar uma série de riscos. Afinal, caso as vendas não ocorram como você planejou naquele dia, há o risco de perdas. Já a venda dos alimentos “in natura” oferece mais margem de tempo para você.

Quer saber tudo para que o seu negócio seja bem-sucedido? Continue conosco e veja algumas dicas essenciais para abrir um mercadinho de sucesso.

1. Lembre-se: planejar seu mercadinho é algo essencial

Você certamente está ansioso para ver seu mercadinho aberto. Porém, é essencial que você realize um bom planejamento antes de abrir as portas.
Esse planejamento inclui, por exemplo, selecionar o ramo que deseja alcançar. A partir disso, você precisa encontrar os distribuidores que possam atender você com a regularidade que você precisa. Esse processo pode ser longo e delicado, e envolver uma série de testes.
Empresas como a Silvestre Alimentos podem ajudar você a por esse sonho em prática, já que revendem alimentos no atacado e podem auxiliar em todo o processo.

2. A gestão financeira pode fazer toda a diferença

Tanto quanto o planejamento, um dos desafios de quem está iniciando um negócio é entender como funcionam as finanças. Então, você precisa entender, por exemplo, o que é capital de giro e qual o valor necessário para a manutenção do seu mercadinho.

Por isso, se você não domina essa parte, é preciso contar com a ajuda de alguém. Isso é importante, pois assim você terá controle sobre o andamento de suas finanças.

3. Invista em tecnologia

Na era digital, estar alheio a tecnologia pode fazer toda a diferença em seu mercadinho. A tecnologia pode ajudar você, tanto a chegar mais fácil em seu cliente quanto a ter mais controle de seu negócio.

Existe, por exemplo, sistemas completos de gestão de mercado, onde além do controle do estoque, você pode ter todo o controle financeiro. Assim fica muito mais fácil estimar seu lucro.

Outra possibilidade que está se tornando cada vez mais comum é a venda através de aplicativos. Neles, seu cliente escolhe os itens que deseja sem sair de casa, de forma rápida e segura. E isso é essencial no atual período em que vivemos.

4. Não esqueça do marketing de seu mercadinho

“Quem não é visto não é lembrado”. Essa é a essência mais crua do marketing. Então, vale a pena gastar algum tempo nessa parte essencial do negócio. Afinal, é dessa forma que seus potenciais clientes saberão da existência de seu mercadinho.

Outra dica fundamental é criar uma rede de contatos. Assim, você pode, por exemplo, informar sobre promoções e descontos, atraindo novas vendas.

 

Gostou das dicas para o seu novo negócio? Para acompanhar mais, clique aqui e veja as últimas publicações em nosso blog.

Drop here!
O que é preciso para comprar alimentos no atacado?

O que é preciso para comprar alimentos no atacado?

O atacado e varejo são modos diferentes de compra. A compra no varejo ocorre quando pensamos no consumidor comum. Ele vai até o supermercado fazer a compra de seus alimentos. Assim, faz uma compra semanal ou até mensal.

Essa é a modalidade de venda que acontece em pequenas quantidades. Então, a venda ocorre entre uma empresa para o consumidor final. Em grandes promoções, alguns estabelecimentos chegam até a limitar a quantidade de unidades que pode ser adquirida por pessoa.

Por outro lado, a venda em atacado é realizada em grande quantidade. E isso tem suas próprias vantagens e desvantagens. Geralmente é uma venda realizada exclusivamente de empresas para outras empresas, como de um distribuidor para um supermercado, por exemplo.

Em muitas cidades também existem os famosos atacadões. Eles também vendem em quantidades mais elevadas para o consumidor final. Alguns até oferecem seus serviços online! Confira nosso artigo para entender melhor como funciona a compra de alimentos no atacado.

 

As vantagens e desafios da compra no atacado

A principal vantagem da compra no atacado é que você consegue um preço muito melhor por unidade. Isso, claro, comparado ao que conseguiria nas prateleiras de um supermercado.

Porém, existe uma desvantagem quando falamos de grandes quantidades. Afinal, mesmo obtendo um preço mais baixo por unidade, o valor total da compra nem sempre acaba compensando.

Vamos a um exemplo prático. Imagine que nas prateleiras do supermercado um determinado alimento esteja custando R$ 5,00. No entanto, você achou o mesmo produto no atacado onde a unidade sai por R$ 3,00.

Parece tentador. Porém, a oferta pode ser válida apenas para 100 unidades. Então, você terá que gastar R$ 300 e pensar em como estocar todo esse alimento. Além disso, terá de se preocupar se vai consumi-lo em tempo hábil, antes que a data de validade expire.

Nos Estados Unidos há uma cultura muito forte de comprar alimentos no atacado e estocá-los em casa. Mas no Brasil isso não é um hábito. Além disso, muitas famílias não possuem a estrutura necessária para estocar alimentos perecíveis.

 

Como realizar a compra no atacado?

Assim como citamos, muitas cidades possuem locais conhecidos como atacadões. Neles é possível comprar alimentos em grande quantidade. Porém, sem ter que recorrer diretamente a um distribuidor de grande porte.

Isso é o ideal para o consumidor final, E hoje muitas dessas empresas também oferecem seus serviços online.

Por estar em grande quantidade, a compra envolve um pouco mais de burocracia. Algumas dessas empresas costumam exigir um cadastro baseado no seu CPF. E elas também costumam impor alguns limites a quantidades de produtos.

Para compras de grande porte, também é comum a exigência de CNPJ, já que é preciso a emissão de nota fiscal.

 

A melhor forma para comprar alimentos online

Para muitos perfis, a Silvestre Alimentos é uma ótima opção comprar alimentos no atacado e sem sair de casa, de forma totalmente online.

Isso porque negociamos em grandes quantidades, para distribuir na quantidade ideal. E se você deseja comprar no acatado, podemos fornecer conforme sua necessidade.

Basta criar o seu cadastro e visitar o site para acessar uma linha completa de alimentos voltados especialmente para a venda no atacado, além de cestas básicas e muito mais!

Veja como funciona uma distribuidora de alimentos

Veja como funciona uma distribuidora de alimentos

Ao andar pelos corredores dos mercados ou de uma distribuidora de alimentos, não vemos o trabalho necessário para abastecer as prateleiras.

Na verdade, existe uma estrutura para levar os produtos até você. E as distribuidoras de alimentos ajudam e cuidam de toda a logística necessária.

Então, você deve estar se perguntando porque é importante saber como uma distribuidora de alimentos funciona.

É muito simples! Esse caminho do alimento afeta o preço final que você pagará em suas compras!

O desafio da logística de uma distribuidora de alimentos

A distribuidora cuida da logística de distribuição de alimentos dos produtores. Os produtos vêm de fazendas, frigoríficos, granjas e outros. Então, as distribuidoras levam os alimentos até os pontos de venda.

Para facilitar, muitos se especializam em apenas um setor do mercado. Então cada um possui seus próprios desafios logísticos.

No caso do transporte de carne, por exemplo, é preciso caminhões refrigerados. Já com frutas e legumes, é preciso tomar cuidado para que nada estrague.

E tudo fica mais difícil pelo tamanho do Brasil. Mas em grandes empresas, é comum que a produção não seja transportada apenas via caminhões, mas também por rios e até pelo ar.

Portanto, quanto mais afinada estiver a logística, menores serão os gastos envolvidos em todo o processo de distribuição.

Então é importante considerar cada parte do processo, como gastos com armazenagem, o salário de todos os profissionais envolvidos e até o preço do combustível.

Esses fatores influenciam no preço dos produtos que você irá encontrar nas prateleiras quando estiver fazendo suas compras.

Como as distribuidoras conseguem os melhores preços

O fato é que ninguém trabalha de graça. Então, uma distribuidora precisa tirar sua margem de lucro para ser um negócio viável.

Ou seja, a logística faz toda a diferença. Por isso, a distribuidora que errar em qualquer parte do processo, seja no armazenamento, pesquisa ou transporte, não irá durar no mercado.

Assim, elas também conseguem bons preços por comprar em grande quantidade. Isso muitas vezes é feito diretamente dos produtores. Portanto, os preços são muito mais acessíveis.

Depois de comprar os lotes de alimentos, elas dividem em partes menores. Assim, as distribuidoras vendem os lotes aos varejistas, conforme seu alcance.

A importância de distribuidoras de alimentos eficientes

Agora que você já sabe como é o processo de distribuição de alimentos, pode entender a importância de empresas como a Silvestre Alimentos. Estamos há anos no mercado e trabalhamos para oferecer os melhores preços e produtos de qualidade para você, o consumidor!

Gostou de conhecer mais de perto todo o processo de trabalho de uma distribuidora? Entre em contato com a empresa agora mesmo e solicite um orçamento

Fale com um especialista Silvestre

Veja mais sobre a empresa aqui.

Drop here!

Como a inflação tem influenciado o preço das cestas básicas

Desde o começo da pandemia do novo coronavírus no final de 2019, com as regras de distanciamento social e muitas atividades paradas e aumento na taxa de desemprego, a cesta básica tornou-se um item ainda mais fundamental para milhões de brasileiros.

Infelizmente, a vilã da vez é a inflação, que está deixando o preço dos alimentos mais salgado. Segundo o Dieese, em São Paulo houve uma alta de 23,1% em relação aos últimos 12 meses. A situação não é diferente em outras regiões; algumas inclusive com índices ainda maiores.

Em comparação, o salário-mínimo aumentou apenas 9% no mesmo período, o que deixou a situação ainda mais complicada para quem precisa colocar comida na mesa. Entenda como essa situação pode deixar o ano de 2021 ainda mais complicado.

A alta do Dólar e a inflação

Com a economia sofrendo um duro golpe durante a pandemia, o dólar também sofreu uma alta considerável. E isso afeta diretamente o valor de muitos produtos encontrados nas cestas básicas.

A moeda nacional em baixa acaba estimulando os produtores a aumentarem as exportações, aproveitando a alta do dólar. Com menos produtos disponíveis no mercado interno, o preço acaba subindo.

Esse é o princípio básico de oferta e procura. E com um maior número de brasileiros em casa, a procura aumenta; o que naturalmente ajuda a elevar ainda mais o preço de produtos essenciais, como o arroz e o feijão.

Poder de compra

Hoje, de acordo com o Dieese e levando em consideração o preço da cesta básica em São Paulo, aonde o valor chega bem perto de R$ 600, o salário-mínimo deveria estar por volta de R$ 5.000 para uma família com até 4 pessoas.

Seguindo os resultados dos estudos, a cesta básica compromete 53,09% do salário líquido do trabalhador brasileiro, com um equivalente de mais de 100 horas de trabalho.

Todos esses números servem para mostrar como a inflação acaba minando o poder de compra. Assim, o trabalhador precisa investir cada vez mais tempo e dinheiro para produtos alimentícios essenciais cujos preços não param de subir.

Quais foram os alimentos que mais subiram com a inflação?

Dentre os principais alimentos contidos na cesta básica que receberam aumentos, além do arroz e do feijão, quase tudo sofreu com o aumento da inflação.

Nas últimas medições do Dieese, podemos destacar o aumento da carne bovina (5,12%), dos tomates (23,22%), das batatas (20,31%) e do óleo de soja (14,01%).

Os números são referentes a cidade de São Paulo, mas o estudo mostra aumento dos mesmos produtos em pelo menos outras 17 cidades onde os preços foram pesquisados e comparados.

Uma luz no fim do túnel

A situação pode começar a melhorar em 2021, principalmente com o começo das campanhas de vacinação contra o Covid-19 no Brasil e no mundo, o que nos dá esperanças de que a economia volte a entrar nos eixos.

Por isso, uma alternativa para diminuir o valor final das compras, é investir em cestas básicas prontas. Isso porque, por oferecer um kit completo de alimentos, você pode encontrar boas ofertas e economizar. Então, conte com a Silvestre Alimentos para facilitar todo o processo. E para dicas de receitas, clique aqui e veja mais.

Veja como montar sua cesta de Natal com produtos Bauducco

Veja como montar sua cesta de Natal com produtos Bauducco

O Natal é uma data para refletir sobre o ano que enfrentamos, agradecer pelas coisas boas que aconteceram e se preparar para os desafios do próximo ano.

Em 2020 temos ainda mais motivos para celebrar o Natal; mesmo que não seja possível estar fisicamente com as pessoas que amamos, entre família, amigos e entes queridos.

Então, uma boa alternativa para presentear quem você ama nessa data especial é com uma bela cesta de Natal. Melhor ainda se ela vier recheada de produtos Bauducco, e esse ano a marca oferece ainda mais opções que vão agradar a todos os gostos e bolsos!

Primeiro, um pouco de história

Muita gente pode não saber, mas a Bauducco é uma empresa brasileiríssima! Ela começa quando um imigrante italiano, Carlo Bauducco, chegou com sua família ao país, na cidade de São Paulo.

Em 1950 ele fundou uma doceria no tradicional bairro do Braz, e começou a fazer sucesso vendendo doces tipicamente italianos, tanto para a colônia italiana em São Paulo, quanto para os brasileiros, curiosos com as novidades.

A mais famosa delas, sem sombra de dúvidas, foi o panetone. A massa fofinha com frutas cristalizadas e uvas passas já era uma famoso doce de Natal entre os italianos, mas foi o Senhor Bauducco que enxergou o potencial dessa maravilha, passando a vendê-la para os brasileiros.

Não demorou para que o panetone caísse no gosto popular. Então hoje é impossível pensar em uma ceia de Natal sem um bom panetone Bauducco, sinônimo de tradição e qualidade!

Sua cesta de Natal com produtos Bauducco

A Bauducco está sempre procurando inovar em seus produtos, especialmente na linha natalina! São panetones, chocottones, bolos e biscoitos, assim como algumas novidades que irão deixá-lo com água na boca. Confira!

1 – Panetones

Certamente esta é a especialidade da Bauducco. e esse ano você encontrará os tradicionais panetones de 500 gramas com frutas cristalizadas e uvas passas.

Então, para quem gosta de variar, uma ótima pedida é a linha Speciale, com um panetone de frutas com damasco e outro com frutas e gotas de chocolate, uma opção que é dois em um!

Agora se você pode investir um pouco mais, a Bauducco preparou um panetone tamanho família com 4 kg, ou então uma versão de 750 gramas, em uma bela lata que pode ser guardada de recordação.

2 – Chocotones

A cada novo Natal, a Bauducco se supera em sua linha de chocottones. O mais tradicional pode ser encontrado em duas versões, de 500, 750 e 908 gramas. Assim como os panetones, também é possível optar pelo de 4kg ou então o de 750g na lata de presente.

Esse ano você também irá encontrar o Chocottone® Maxi Trufa, o Chocottone® Maxi Gotas, o Chocottone® Maxi Avelã e o Chocottone® Maxi Caramelo 500g, para os apaixonados por doces. Para as crianças, uma boa opção é o Mini Chocottone® M&M’s®!

3 – Panetone Salgado

Para quem não perde uma oportunidade de experimentar uma novidade Bauducco, eles não decepcionaram e surpreenderam com o Panetone Salgado, perfeito para começar o dia de Natal com um delicioso café da manhã.

Na Silvestre Alimentos vocês encontra todos esses e outros produtos da linha natalina para montar sua cesta de Natal com produtos Bauducco, tudo com os melhores preços do mercado para tornar a sua ceia, e daqueles que você ama, em uma data inesquecível!

Gostou das dicas? Clique aqui e aqui para saber mais sobre cestas de Natal.

3 boas razões para oferecer o benefício da cesta básica

3 boas razões para oferecer o benefício da cesta básica

A cesta básica é um dos benefícios mais comuns oferecidos pelos empregadores. Mas você sabia que ela não é obrigatória, a menos que seja determinação de um Acordo Coletivo de Trabalho?

Contudo, existem bons motivos por esse ser um item oferecido por muitos empregadores, já que eles também desfrutam de alguns benefícios ao oferecer espontaneamente a cesta básica, além de toda sua contribuição social.

Então, para entender um pouco melhor sobre como tudo isso funciona e a importância da cesta básica como benefício aos trabalhadores, dê uma olhadinha nos tópicos abaixo.

1. A cesta básica pode ajudar famílias

Especialmente no momento em que estamos enfrentando, com os desafios do distanciamento social e todas as implicações econômicas causadas pela pandemia do novo coronavírus, a cesta básica ganhou um peso ainda maior.

Esse é o caso para muitas famílias, onde aumentaram os casos de desemprego ou diminuição do salário em função de jornadas de trabalho reduzidas.

Por isso, mesmo sendo bem otimista, também é preciso considerar os efeitos que isso trará a longo prazo, com aumento no índice de inflação, a alta do dólar e dos preços de itens fundamentais presentes na cesta básica e que são quase indispensáveis na mesa dos brasileiros.

E para o empregador, negociar a obtenção da cesta básica diretamente com fornecedores, e em quantidade, ajuda a reduzir os preços, tornando esse um ótimo benefício para aliviar o gasto dos trabalhadores com a alimentação.

Infelizmente, nós sabemos que para muitas famílias a cesta básica pode fazer toda a diferença. E como empregador, essa é uma forma de ajudar aqueles que mais precisam.

2. Colaboradores mais motivados

Uma boa alimentação é indispensável para obter colaboradores mais motivado; o que por sua vez tende a torná-los muito mais produtivos e felizes com seu emprego. Esse também pode ser um diferencial importante também para a retenção de talentos.

Não podemos esquecer que a cesta básica também é uma forma de facilitar a vida do funcionário, já que pode poupar tempo e dinheiro com uma ida ao supermercado e até mesmo obter itens essenciais por valores mais acessíveis, quando o valor da cesta básica é descontado do salário.

Por fim, a cesta básica pode também ser um complemento para a alimentação da família e uma forma de mostrar apreço pelos colaboradores de sua empresa.

3. Os benefícios para a empresa

Além de garantir que sua empresa tenha mais peso sobre a contribuição social na região em que atua e de obter funcionários mais motivados, produtivos e dispostos a permanecerem em seus empregos, oferecer a cesta básica também oferece benefícios fiscais.

Primeiramente, é preciso se inscrever no PAT, o Programa de Alimentação do Trabalhador. Assim, uma vez aprovado, a sua empresa poderá contar com uma isenção de encargos sociais (como de FGTS e INSS), sobre o valor do benefício, que pode chegar no máximo a 20% do salário base do funcionário.

E se a sua empresa declara o Imposto de Renda pelo lucro real, também é possível contar com a dedução do incentivo fiscal, limitada a 4% do imposto devido, o que pode fazer toda a diferença no final de um ano fiscal.

Leia mais sobre os benefícios da cesta básica aqui e aqui.